Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SOU CORNO....MAS O QUE FAZER???

Adriana e eu chegamos ao quarto do Motel que costumávamos frequentar em Maringá. Eu havia combinado com Cláudio para aguardar no estacionamento. Assim que eu e ela entrássemos, mandaria um torpedo, pelo celular, para que soubesse o número do quarto em que estávamos.

Assim que entramos, tiramos nossas roupas, como sempre. Eu lambi muito o pescoço de Adriana e a beijei enquanto ela pegava no meu pau, já duro, muito mais pela atmosfera que eu sabia que tomaria lugar ali do que por todo o tesão que ela sempre me inspira por sua sensualidade e sexualidade naturais.

Adriana é uma mulher bela e atraente. Tem uma dose de sexualidade contida em sua voz e em seu olhar. Desde a primeira vez que a vi, captei essas percepções e fui comprovar de perto. O sexo é um elo muito forte entre nás. Ratifica o nosso amor de modo muito intenso. Lá estávamos para mais um momento de pura magia.

Vendei os olhos dela com delicadeza. O tecido era bem negro e macio o suficiente para manter o mistério de tudo o que estava por acontecer em alguns minutos.

Suavemente, também, amarrei suas mãos à cabeceira da cama para que ela ficasse somente com os pés soltos.

Deixei a porta entreaberta e, assim que armei esta cena, mandei o torpedo ao fone do Cláudio. Eu o contratara para o nosso menage a trois. A pessoa que o indicou garantiu-me tratar-se de um homem honrado e simples, porém, um amante de primeira, capaz de passar horas e horas “trabalhando” numa fêmea até o ponto de enlouquecê-la. Era exatamente isso o que eu planejava proporcionar a Adriana naquele fim de tarde.

TIVE QUE AGIR DESTA FORMA, POIS, DE OUTRO MODO ELA NÃO ACEITARIA UMA SURUBA DAQUELAS, JÁ QUE REPRIME SENTIMENTOS E DESEJOS EM NOME DE TUDO O QUE AS DEMAIS PESSOAS TAMBÉM O FAZEM.

Mas o que nos aguardava naquele dia, certamente a encantaria, pois, sei que, no fundo, ela estava acesa para uma experiência nova e diferente entre nás.

Cláudio entrou e dirigiu-se ao banheiro com cuidado para não ser ouvido. Enquanto isso, eu já introduzia meu pau na buceta dela e ouvia os gemidinhos que emite sempre que começamos. Fazia um bom tempo que não transávamos por causa de nossa distância física. Ela queria, mesmo, que eu afundasse tudo de uma sá vez. Mas eu punha um pouquinho e logo tirava. Não queria gozar e estava preparando a surpresinha.

Cláudio reapareceu já nu. Seu cacete estava bem duro em função do clima e por já saber que Adriana nunca tinha transado a três.

Eu saí da cama e continuei conversando com Adriana como se estivesse fazendo qualquer outra coisa normal

Neste momento, Claudio subiu na cama, levantou as pernas dela – como eu costumo fazer o nosso papai-mamãe – e introduziu de uma sá vez seu caralho que era, no mínimo, o dobro do tamanho do meu, porém, bem mais grosso.

Naquele instante, Adriana sentiu-se atônita. Ficou sem entender. Pensou que eu estivesse introduzindo um consolo. Deu um grito que misturava satisfação, prazer e dor. Havia pelo menos – que eu saiba – sete anos e meio que ela não levava um caralho daqueles.

Fui, então, a seu lado e tirei a venda de seus olhos enquanto Claudio, como um louco, mandava ver seu pau num vai-e-vem frenético buceta adentro de Adriada. Ela se entregou. Pus meu caralho em sua boca e, enquanto ela tomava na buceta as estocadas mais frenéticas que se pode imaginar, eu metia nem sua boca com loucura, pois, eu mesmo estava morrendo de tesão de vê-la sendo comida por outro homem.

Eu sabia que ela estava gostando muito, pois, conheço os seus gemidos. E agora que ela constatava que eu também gostava da encenação, soltou-se como uma verdadeira puta.

Chegara o momento mais importante.

Faríamos em Adriana uma dupla penetração pela primeira vez.

Claudio removeu seu cacete – muito molhado, pois ela ficara ensopada de tesão com esta experiência. Ela protestou. Queria mais, muito mais, daquele pau perfeito.

Anunciei, então, o que aconteceria a partir de então. Ela fez menção de negar e eu afirmei que de nada adiantaria. O único direito que ela teria era o de escolher qual pau iria onde.

Ela escolheu o meu no cu, já que era virgem de rabo e gostaria de dar-me a honra. Além disso, o pau de Claudio era muito maior que o meu. Para começar com ele seria complicado.

Claudio deitou-se. Adriana ajeitou-se sobre aquela pica que eu vi desaparecer inteira dentro de sua buceta. Percebi que no comprimento não era tanto problema; tinha espaço para penetrar. A coisa pegava, mesmo, na grossura. Eu percebi que aquela xana, que me parecia carnuda e me recebia com facilidade, nunca mais seria a mesma depois daquela foda. Estava sendo definitivamente arrombada... e sem retorno. Mas, fazer o que?

Eu fiz aquele ritual de sempre para se comer um cuzinho. Besuntei com muito creme, meti um dedo, exercitei. Enquanto isso, observei que ela pulava como louca no pau de Claudio, demonstrando o quanto gostava de receber um cacete diferente e com aquelas características.

Não tive pena. Pedi que parassem o movimento por alguns instantes até que eu tomasse meu lugar na orgia.

Coloquei-me e fui entrando. Em poucos segundos, lá estava inteiramente introduzido. Agora era sá questão de ritmo. Dois machos afundados nos buracos de prazer de uma bela mulher. Ela se entregava como verdadeira vadia ao inevitável e profundo prazer.

Assim fomos até uma explosão de porra que ela fez questão de ser em seu interior. Cláudio e eu chegamos juntos. Eu sentia os jatos de esperma dele no inteior da buceta. Adriana urrou como um animal nesta hora, já que os paus dos dois dilataram de modo anormal.

Caímos os três exaustos sobre a cama.

Cinco minutos se passaram de cochilo gostoso, quando ela, repentinamente, sentou-se e, inclinando-se sobre Cláudio, abocanhou seu pau chupando-o com gula incrível.

Olhou para mim e disse: “Você não quer que eu foda como uma puta? Pois bem. Agora eu quero que ele meta esse cacete no meu rabão. Vou sair daqui com a buceta e com o cu regaçados”.

Apesar do meu ciúme, não podia impedi-la de satisfazer seu novo desejo, já que eu era o mentor de toda a situação.

Quando aquele mastro se levantou, ela não teve medo. Encheu seu rabo de creme e sentou-se em cima daquela coisa dura, grande e grossa. Deu um grito quando a cabeça arrombou o cu, fazendo o meu pau parecer um dedão na foda anterior.

Não esperou acostumar-se, fez seu rabo engolir a pica inteira. O Claudio, inclusive, gritou, agora. Depois ele revelou-me que nunca havia visto nada igual. O cacete do cara desapareceu. Ela apoiava-se sobre suas mãos e esticava suas pernas. O cuzinho de Adriana dilatou a ponto de recebê-lo inteirinho.

Dali a pouco, começou o entra-e-sai. Era inacreditável. A habilidade de minha menina mostrou-se maior do que mulher de filme.

Então, ela tirou de uma sá vez, posicionou-se de quatro sobre a cama e ordenou ao Claudio: “Agora, me enraba de quatro, seu filho da puta. Faz de mim uma puta completa. Coma meu rabo como um garanhão come uma égua no cio”. Ele cumpriu a ordem de imediato. Pôs-se de pé e enfiou tudo num solavanco. Adriana virou os olhos, sentindo o baque. Eu vi que a coisa não foi fácil para o lado dela.

O cara começou a estocar. A cavalgada durou muito. Eu via aquele cu avermelhar-se como uma carne sendo assada. Ele não aguentava mais. Adriana já anunciara pelo menos três orgasmos enquanto o cara metia a vara naquele rabo. Passei a mão em sua buceta e vi que pingava líquido vaginal quente e cremoso. Ela estava tendo, de fato, o maior gozo de toda a sua vida. A foda terminou quando ele esvaiu-se em esperma nas costas dela. Jorrava como uma mangueira. Fez uma poça de porra quente e muito grossa, parecia um mingau. Ele grunhiu como um cavalo, enquanto gozava. Ela sorriu para mim, satisfeita que estava.

Descansamos os três. Cláudio tomou seu banho, vestiu-se e se foi.

Eu continuei ali com Adriana por mais um tempo em que tomamos duas cervejas.

Depois, o banho e, também fomos embora.

Nunca mais fizemos a três. Bem, pelo menos comigo ela não fez mais. Vai saber.... agora que sou membro do clube dos cornos convictos, tudo pode acontecer, e eu não posso reclamar.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto viuva carnuda carenteIncesto com meu irmao casado eu confessode santinha a putinha e um pulo contos eroticosdeixei outro homem gozar dentro conto eroticovideos porno minha mulher me satisfazendo na cama presente de aniversáriopai t***** acariciando a bundinha da filha e goza sem pararchefe comendo a colegafanfic contos eróticos estuprada pelo exminha irmão me fez um carinho conto eroticocantos eroticos so casado mais o negao arrombou meu cucontos eróticos coroas dormio e fudia no ônibuscomendo a japonesa contos eroticosinsestos contos 361fui pregar a palavra e fui fudida contos eroticosDona Florinda mostrando a periquita para o professor Girafales ele lamberpatroascontosdepois que eu dei a buceta pro meu amante na frente do meu marido ele amou casa dos contos eroticos novinhas delicias cedusindo o tioContos eroticos o encanador me violougozando dentro da irmã adotivadepois de dar pro ricardao dei pro meu marido contocontos dei carona para um rapas e fui comidaputa do meu meio irmão conto eroticoninfeta beijando peitoral de travesticonto erotico paraense en salinas parafingi que minha boca era uma calcinha e virei femeaconto erótico mulher é domada e faz marido assistir ela traindoconro erotico gay meu tio alopradoconto erotico gay pai ensinando o filho a beijarconto erótico gay brincandoEnchi ela de porra contosconto a coros e o jardineiro pauzudoMinha mulher gosta de mostra a buceta pros meus amigos ai eles comem Ela contos eroticoscorninho conto erótico videos a muher levantado o vestido pra maridocomer a buceta delaComo comer o cu da minha alunacontos de comi o viadinho do irmão caçulaNegão Da Picona Na Africa Contos EroticosQuadrinhos eróticos contos casadascontos gay chorei no pau do coroao cara comedo a buceta da tia ea primacontos eroticos com garotos mais novosconto - ela fez massagem nos testiculos dele Conto eu e esposa banho amigo bebadozoofilia conto como treinar sua cadelaminha tia greluda de biquínicontos eróticos com fotos de casadas fazendo zóofiliacontos eroticos hospital a tiaContos eroticos fudendo baixinhacontos porno eu e meu amigo fudendo minha maecontos eróticos gays a primeira vez com 24 anosminha esposa revelou ser muito safadaContos mulher estrupadas negroscontos com dog pica gigantecontos adoro ver meu marido dando o cumeu marido me convenceu a ir na praia de nudismo vi tanta pica grande e grossameu corno quero um macho negro novo e dotado pra fuder minha buceta emeu cuzinhocontos de coroa com novinhoconto viuva carnuda carentea biscate da minha irmã conto eroticocomtosgay comi o cuzinho do meu irmaoContos eroticos seduzi e tive que aguentarcontos eróticos cu saindo pra foraContos eroticos inversao na familhaConto porno de estuprada por pai da mim amigapedi para meu amigo tirar is cabasos da minha noiva contoconto erotico a mulher me encoxou no onibusConto esposa de tampa sexoconto filho da minha amigaconto guei fingi dormi emeu primo enfiou o pau na minha bocacontos eróticos de tio comendo sobrinha f****** gostosocondos eeoticosconto rebolo pau meu cunhadoconto erótico falei pra esposa que vi o pauzaocontos porno ajudou marido comer sogracontoeroticodonacasacontos erótico de coroas casados trancando com novinho BA baladasmeu sogro é bem dotado,meu marido me contoucontos eroticos cunhadinhoso ajudante de pedreiro chupou minha rola quando eu tinha dez anosabocanhando os tetao da evangelica gorda da buceta peluda casada ..contosentregador de gas bem dotado e sexy dominadorconto erotico a buceta enorme da minha esposaConto erótico assalto em casa marido bi mulher violada contos eróticos vi minha mae sendo errambada plo meu padrasto e ele me comeuconto trai meu marido na faxinacontos eroticos adolecentes lesbicacontoseroticos foi devorado pelo negao cacetudo no baile de carnavalContos eroticos deixei ele me comercontos encoxada biquini sungaminha esposa e o porteirocontos/comi a mae e tirei o cabaco da filhaSou casada mas bebi porro de outra cara contosminha empregada lesbica me obrigou contoscontos eroticos, venerava meus mamiloscontos eróticos-férias Carol