Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

UM ESPETÁCULO DE MULHER...

Uma noite quente, uma balada quente, uma mulher quente e por que não brincar um pouco?rnEla é um espetáculo, cabelos loiros longos e lisos, um corpo mingnon, nada grande, nada pequeno, tudo nela é na medida certa. Ela estava deslumbrante em um vestido vermelho justo que explorava todos os seu contornos, suas pernas, seu quadris, cintura e seios. Tudo nela é elegantemente e perfeito. Seu ir e vir denotava sensualidade e um pouco de pudor. rnPudor?rnVocê poderia me perguntar: Como uma mulher de vestido vermelho em uma balada gay pode ter pudor?rnEu não sei. Mas ela tinha. Parecia totalmente desinteressada em chamar atenção.rnEu logo me interessei, é lágico, quem não se interessaria por uma mulher bonita e com um vestido justo em uma balada? rnMas oque ela tinha a oferecer era bem mais que isso, eu sentia, eu sabia.rnNão conseguia tirar os olhos dela. Ela nem notava. rnQuem sabe minha baixa estatura ou meu ?ar? de pouco riso possa não ter lhe despertado interesse? Quem sabe?rnEla continuava a conversar com os amigos. Eu passei por ela para pegar uma bebida, passei por trás dela, e não resisti...segurei em sua cintura com minhas duas mãos e passei. Eu passei por trás dela, e ela me olhou com estranheza e uma certa prepotência; Como se me perguntasse : ?quem você pensa que é garota para pegar na minha cintura assim?? rnEu desfiz do olhar dela, sinceramente não estava me importando, eu tinha tirado uma ?casquinha? da cintura dela e me sentia suficientemente feliz com isso.rnPeguei minha bebida, encostei em um canto e permaneci observando, observava o tempo todo, observava seus olhos, seus gestos e o os seus contornos. Ela ainda desinteressada, ainda (pelo menos), desdenhava dos meus olhares e continuava dançando, sorrindo e se divertindo com os amigos. rnMinha bebida acabou e me diverti sá em ficar olhando para ela. A energia da apreciação é a mesma do amor, se o ser humano entendesse isso seria mais feliz!rnEu precisava de mais bebida e felizmente para obter mais bebida precisaria passar por ela novamente. rnE eu passei pelas costas dela e voltei a pegar em sua cintura, com minhas duas mãos, dessa vez bem mais práxima do corpo dela. Ela lançou um olhar fulminante de raiva, se sentiu realmente incomodada. Sinceramente, eu nem liguei.rnVoltei para um cantinho da balada e continuei observando-a.rnDe repente ela se afastou do grupo, pude ver claramente ela caminhando em direção ao bar, sozinha, com certeza iria pegar uma bebida. Uma multidão de gente estava lá, ela conseguiu encaixar-se de lado no bar e tentava penosamente pedir sua bebida.rn Eu achei que era o momento de me aproximar.rnLarguei minha bebida no canto (não queria derrubar tudo naquele tumulto do bar), fui para o bar e encaixei meu corpo atrás do dela. Ela imediatamente olhou para trás, acho que reconheceu o meu perfume, será? rnOlhou incomodada pelo tumulto no bar, como quem reclama de tanta bagunça e confusão. Eu com um de meus braços enlacei sua cintura com um dos meus braços e colei seu corpo junto do meu, como quem pega alguém que lhe pertence, o outro braço avancei para pedir uma bebida.rn A mão dela imediatamente segurou meu braço, não era um movimento claro de se decifrar, não parecia uma recusa, mas também não parecia uma aceitação...rnNesta posição, completamente encostada em mim e meu braço enlaçado na sua cintura, ela continuou pedindo sua bebida com uma das mãos e a outra continuou sobre meu braço.rnDe repente ela se virou e disse:rn- Você pode me soltar? Você quer o quê?rn- Não vou soltar, quero você.rnCom as duas mãos em volta do corpo dela eu a virei para mim e a beijei, ela retribuiu o beijo com um certo? ar ?de curiosidade. Foi um beijo rápido, havia muito tumulto alí, levei-a para um canto mais sossegado, encostei ela na parede e alí fiquei alguns minutos beijando e acariciando de leve sua cintura e pernas.rnEla era muito gostosa, o beijo fantástico, o corpo com contornos adoráveis. Eu de vez em quando encostava minha mão em sua bunda, mas ela tirava minha mão. Parecia não aceitar bem tanta intimidade. Eu notei que isso a incomodava, mas ela retribuía meus beijos e parecia gostar dos meus braços lhe envolvendo. Mas eu precisava de muito mais, e então sugeri:rn-Vamos para um motel, eu não aguento mais.rn- Não te conheço, não vou com você para um motel!rn- Você não está entendendo, eu quero te chupar.rn- Eu não te conheço!rn- Você não precisa me conhecer para deixar eu te chupar um pouco, precisa?rn- Preciso!rn- Deixa eu te chupar, depois você me conhece, vamos para um motel.rn- Você sá quer isso? Me chupar?rn- Agora é oque mais quero.rn- Como vai ser? Não vou para um motel com você!rn- No meu carro?rn- Não vou entrar no seu carro! Não te conheço!rn- No banheiro?rn- Isso é impossível! Não!rnPuxei-a pelo braço, entramos em um boxe do banheiro. Ela disse:rn- Isso está imundo, não quero!rnAbaixei a tampa da privada e sentei-me , puxei-a para mim e comecei a tirar sua calcinha. Ela resistiu um pouco, mas não imprimia muita força aos movimentos. Ela repetia incansavelmente:rn- Não quero assim, esse banheiro está imundo, para!rnCalcinha linda, renda vermelha, já estava na minha mão.rn- Quer ir para um motel?rn- Não, isso é loucura! Não quero, nem sei o seu nome!rnEnquanto ela falava coloquei uma de suas pernas em cima da tampa do vaso, o vestido subiu, a outra perna continuou no chão, ela estava toda depilada.rnAbaixei meu rosto delicadamente e a puxei pela cintura em direção a minha boca. Ela disse com a voz delicada e baixa:rn- Para! Eu nem sei seu nome...rnE acariciou o topo da minha cabeça, com seus dedos entre meus cabelos. E disse: rn- Você é louca;rnEu respondi com minha boca já encaixada em cima do clitáris dela.rn- Aham, por você.rnComecei a lamber com gosto e fome. Nem imaginava que ela gostasse tanto de ser lambida, ela jogava o corpo e a cabeça para trás, eu acariciava a perna dela que estava em cima do vaso enquanto lambia e sugava, sugava o líquido que saia de dentro dela, ela estava muito molhada, encharcada na verdade e continuava acariciando meus cabelos e beijava o topo da minha cabeça, como quem agradece pelo prazer com carinho e amor.rnChupei e lambi aquela mulher até ela gozar, ela gemeu e seu corpo estremeceu. Ela parecia estar totalmente derretida na minha boca.rnEla me olhou, depois do gozo, e disse:rn- Foi muito louco e estranho. Você vai me ligar amanhã?rn- Amanhã e todos os dias da minha vida...rnrnrnrnrnrnrn- rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Casa dos contos eroticos marcia minha esposachantagiei minha irma casada contoscontos eróticos as fantasias de minha filha filha com um desconhecido na praiavirei comidinha do meu exXvidio Mexedo um pau do irmao dormido baxarconto erotico crechecontos eróticos violentada por um flanelinhaMeu vizinho me confessou que e gay e tem vontade de chupa no meu peniscontos eróticos apaixonada pelo sobrinhomorena cor janbro deixan goza dentroconto erotico minha mulher e o aluno comedorcontos eróticos pelado flagra empregadacontos eroticos priminha rabuda no coloSou casada mas bebi porro de outra cara contoscontos dei pro meu sobrinhomeu amigo roludo me fez cornoFodi o cu e a cona da minha sogra e gozei muito na boca delaLuta entre irmãos termina em sexo a força, ela acaba gostando, Contos eróticoschupando pintaooopau duro.porteiro da esxola gayconto porno mulher adora novinhocontos eróticos tomei chute no sacoPorno putas chavecado homemabusada pelo.louco contosinversao porno contoso coroa rico que tirou a virgindade do meu cu no motel que ele fez eu vira seu gay ele adora fuder meu cu no motel ele me ligou pra eu ir com ele pro motel eu fui com ele no seu carro pro motel eu e ele dentro do quarto eu chupei seu pau ele começou a fuder meu cu ele disse pra mim eu não vou goza dentro do seu cu eu vou gozá dentro da sua boca pra você engolir minha porra ele tirou seu pau do meu cu ele disse pra eu chupar seu pau eu comecei a chupar seu pau ele gozo dentro da minha boca eu engolir sua porra conto eróticocontos eróticos porno gay vestindo a calcinha da irmã paty abriu a buceta com os dedos contoscontos eroticos cu virgemMinha mulher voltou bebada e sem calcinha em casa contosX cuziho cagano nucaceteconto chupei a coroaminha professora nao usa calcinhas contos eroticoscontos eroticos o muleque comeu meu rabocontos gosto de ver meu marido usando calcinhaconto bebi muita porra sem sabercontoseuroticos-puta vadiana piscina com minha sogra contoscontos eróticos a negona lésbica me dominouna praia com a mae do amigo contosfui enrabado pe lo o yravesti na baladacontos eroticos da evangelica escravazelador beijando na boca minha esposaContos erotico menina de nove anos no bosqueconto erotico cachorro lambe pauminha irma orgulhosa rabuda contoContos de incesto menina pequena com medo da chuvacontos minha mulher com um dotado mi fez chupa eleminha filha piranha foi me visitar contorecebru varias calcinha de presente contos eroticosogra chortinho provocando genro cozinha lavandoraparam minha buceta a força contos.mae gostosa contosum conto erótico mendigo Eu e minha filha juntoConto ajudando o meu irmâo comer a filha dele parte doiscunhado pauzudo fudendo a sogra e a cunhada,contos e relatos eroticoscontos eroticos gay dando o cu para 2mulherdechortinhocurtoconto lesbica desde novinhaContos eroticos fodi a aluna rabuda da academiacontos eroticos dando pros amigos do meu primocontoerotico senhora adora dar o cuzaopara o filhocontos eroticos sou casada dando para dois garotos parte 2ler relato de suruba na casa da comadricontos eroticos meu amigo levou minha mulher no puteiroconto herotico tia e subrinho videotrai meu marido na hora do futebol dos contosBoquete Sebo contos Contos eroticos de incestos.mamae vai dar boa noite de camisola pro filhocontos eróticos comendo a minha filha caçula na vialoca pra fude vai logo metencontos coroas terceira idadeMinha prima me falou que tem vontade de chupa no meu peniscontos porno chupetinho para um adultoContos eroticos paguei o táxi e o aluguel irmão seirando calcinhacontos eróticos fode direitoconto erotico sou crente mas sou safadinhamulher gozando muito rrasgando buceta engatada na rola do cachorropadrinho enchendo a boca da afilhada de muita porracontos eroticos- paguei minha filha pra cheirar sua calcinha