Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

3 - MARES SEM FIM

Internet ? essa maravilha moderna onde navegamos usando o teclado como caravela... Na net vê-se de tudo: futebol, política e, é claro, sexo, muito sexo.rnrnNão há palavra que se digite em um site de busca, por mais inocente que seja, que não retorne algumas opções que envolvam a atividade humana mais praticada, desde o surgimento da nossa espécie. Temos aí alguns bilhões de viventes para prová-lo.rnrnAssim, como não poderia deixar de ser, também passei a usar a internet, mais especificamente, as salas de bate-papo específicas para aqueles que se aventuram no mundo tão cantado por Donatien François.rnrnA princípio confesso que foi um desencanto. Ao entrar com meu nome, Rainha Sarah, em tais salas, fui abordada por vários, que se diziam submissos, mas que mal sabiam a maneira correta de endereçar alguém que usa tal alcunha.rnrnDistraía-me mais com contos. Quando os achava com boa qualidade ? o que não era tão comum.rnrnAinda lembro-me da primeira vez em que estive em uma sala de bate papo de BDSM: não foram poucos os que atraídos por uma possibilidade de dominação ?básica?, fugaz, abordaram-me sem boas maneiras.rnrnMas, mesmo assim, não desisti e, vez ou outra, encontrava alguém para me divertir. Ninguém em especial, apenas diversão esporádica.rnrnE assim, segui.rnrnPorém, é importante que se diga que odeio quando, nestas salas voltadas para meu estilo de vida, que iniciem a conversa com ?Boa noite, Rainha. Como vai??. Oras, submissos não são meus iguais para iniciar comigo uma conversa como se estivessem me paquerando no bar da esquina.rnrnEm determinado dia, já estava de saída, pensando que não encontraria nada além de wannabe subs, quando, inesperadamente, sub_sp envia-me uma mensagem: ?Desculpe-me por incomodar, Rainha. Mas se a Senhora quiser teclar comigo, estou ao seu dispor?.rnrnPrimeiro o choque ? oras, não é que há nestes vastos mares virtuais alguém capaz de respeitar a formalidade e escrever uma frase completa, colocando-se em modo de espera ? e ainda usando corretamente o pronome oblíquo? (Neste ponto é importante que eu esclareça: não sou daqueles chatos que se debruçam discutindo a heresia do internetês. A língua é viva, progride e adapta-se. O internetês é tão somente a prova disto!)rnrnMas, o fato é que em meio à rudeza e despreparo de tantos que se auto-classificam submissos, despontava ali uma raridade. E raridades me atraem sobremaneira: seja o belo, seja o feio; seja o perfeito, seja o imperfeito - desde que tragam em si algo que os diferencia dos demais.rnrnA raridade em questão sabia que para se iniciar uma conversa com uma Mistress, sendo-se um submisso, tem-se que se colocar no devido lugar e fazer uso de todo o respeito e delicadeza que um idioma pode oferecer. Este é o único meio de se obter minha atenção.rnrnAfinal, a verdadeira submissão ? assim como a verdadeira arte de Dominar ? não é algo passível de ser ensinadoaprendido. Ou se é, ou não se é. Ou se nasce ou não se nasce.rnrnAssim, sub_sp cativou minha atenção.rnrn?Descreva-se? ? obviamente, ele teria que ser alguém que me agradasse minimamente.rnrn?1,80m. Cabelos castanhos. Meio vermelhos. Olhos azuis. Um pouco acima do peso. Um escravo por natureza?.rnrnInteressante.rnrn?Saia e entre com o nick escravo_RainhaSarah. Apenas me divirto com o que me pertence.?rn?Sim, Senhora?.rnrnImediatamente, aquele que se autonomeava sub_sp saiu e retornou usando o nome que eu lhe havia determinado.rnrnA resposta imediata aos meus desejos sempre desperta minha vontade e minha curiosidade. Quanto mais submissos, mais me interessam.rnrn?às suas ordens, Rainha.?rn?De que maneira você está??rn?De joelhos.?rn?Quero ver?.rnrnImediatamente ele liga seu vídeo-chat.rnrnVejo um amontoado de cabelos meio despenteados da cor castanha. Há um leve brilho vermelho neles. Típico das misturas brasileiras, pensei. Na posição em que ele se encontrava, eu podia ver, além de seu cabelos, seus ombros de cor clara, mas cheio de sardinhas.rnrnO cômodo onde ele se encontrava estava bem iluminado, assim eu podia ver detalhes de seu corpo ? e sua câmera era de átima resolução. Ele estava de cabeça baixa ? ábvio que não olharia diretamente para a câmera naquele momento. As pessoas têm vidas que querem preservar, oras.rnrnE confiança é algo que se conquista pouco a pouco ? ainda mais entre uma Senhora e seu escravo. Pouco a pouco, sim, afinal, não existe treinamento, extensão de limites e de possibilidades sem que haja confiança ? o tempo é o verdadeiro aliado de uma Mistress. O tempo e sua prápria capacidade de Dominar e ser obedecida.rnrnAssim, meu brinquedinho de momento ? sim, pois, até aquele ocasião não havia nada que pudesse indicar a profundidade da nossa relação que se estabeleceria com um forte vínculo em pouco tempo ? possuía um redemoinho encantador no meio de sua cabeça.rnrn?Diga seu nome? sussurrei, já com a voz embargada em antecipação, ao vê-lo de joelhos sem que fosse preciso ordená-lo ? considerando-se que era nossa primeira conversa.rnrn?escravo da Minha Rainha.?rnrnUm tremor percorreu meu braço. Uma vontade de segurá-lo pelos cabelos, bem perto daquele redemoinho e forçar sua testa até o chão ? mas, infelizmente a internet ainda não nos fornece todas as possibilidades.rnrnDisse-lhe que se pusesse de pé, mas ocultasse seu rosto. Eu queria observá-lo por inteiro, todo o seu corpo, sua pele. Minhas narinas dilatavam-se imaginando o odor que exalaria de sua pele. Cheiro de submissão, cheiro de pertencimento.rnrnQuando ele se postou de pé, instruí-lhe a exibir seu corpo começando por suas pernas, que pareciam fortes, passando por seu estômago e peito. Realmente, ele estava acima do peso, mas não era nada exagerado ? um corpo absolutamente normal para alguém de sua idade. Pequenas pintinhas cobriam seu peito.rnrn?Vire-se?.rnrnNádegas me fascinam. Eu não poderia divertir-me com alguém que não tivesse uma bunda respeitável.rnrnE a dele era: pequenos pelos lisos e finos cobriam a superfície de sua bunda clara, mais clara que o resto do corpo, com uma marca de sunga ? além de redonda.rnrn?Incline-se e abaixe seu torso para frente?rnrnAo abaixar-se ele me deu uma bela visão de sua bunda, na posição em que eu gostaria de meter um plug anal bem fundo... Mas, isso, certamente, não aconteceria. Pelo menos, não agora, não ainda.rnrn?Segure as duas partes de sua bunda com as mãos e exponha-se para mim.?rnrnSenti uma pequena hesitação. Suas mãos demoraram um segundo mais que o necessário.rnrn?escravo. Minhas ordens são para serem seguidas. Agora, arreganha a porra da bunda? disse subindo o tom, sem elevar a voz, mas imprimindo nela toda a minha capacidade de comando, toda a minha Natureza.rnrnE, mais uma vez, tive a comprovação, mesmo a quilômetros de distância: escravos são como cães ? se você não der conta de dobrá-los à sua vontade com sua voz, é porque não se é seu Mestre. Ou Mistress.rnrnSuas mãos que hesitaram por um segundo apenas dirigiram para as duas partes de suas nádegas e as separaram expondo seu ânus completamente. Era rosado e pequeno e eu já podia imaginar um consolo sendo enfiado por aquele buraco abrindo seu esfíncter ao máximo do suportável.rnrn?Você tem feijões??rn?Sim, Senhora? levantando sua cabeça.rn?Mantenha esta posição. Não lhe disse para se mexer.?rnPerguntei de novo, pausando bastante minha voz, tomando tempo. Eu sabia que aquela posição era desconfortável, ele fazia um ângulo reto com seu corpo, mantendo as pernas em V. Com os braços esticados para trás suas costelas comprimiriam os pulmões, mas apenas um pouco.rnrn?S-i-m, Se-nhora? disse ele ofegante, mas sem mexer-se um milímetro.rn?Ótimo. Busque uma mão cheia deles. Vou marcar o tempo. Sempre que eu o fizer, se você não o cumprir, eu desligo a conexão e você não terá mais como encontrar-me, entendeu??rn?S-im, Senho-ra.?rn?Levante-se. Você tem 30 segundos. Vá, agora.?rnrnOuvi seus passos descalços, fruto da sola de seus pés batendo no taco, afastando-se rapidamente do microfone e, menos de 20 segundos depois, retornando.rnrnA câmera estava posicionada de forma a que eu não visse seu rosto, mas todo o seu corpo do pescoço para baixo ? porém apenas quando ele estivesse posicionado práximo a ela. Ele, na ânsia de obedecer, esqueceu-se que ao afastar-se da câmera eu o veria por inteiro, especialmente quando ele se aproximasse.rnrnE assim foi. Vi seu rosto, de áculos, e seus cabelos lisos meio desarranjados que caíam displicentemente sobre sua testa.rnrnE ele nem se deu conta do perigo.rnrnSorri internamente. Este possuía alma de submisso ? com uma pequena pressão sobre si, esquecia-se de toda a cautela. Chegava a ser cômico. Ainda mais se se pensasse que ele não possuía nenhuma imagem minha. Eu jamais me permitiria ser observada de imediato.rnrnÉ ábvio que eu nunca me aproveitaria da displicência de um submisso. Nem mesmo pela internet. Jamais. Meu senso de justiça impedir-me-ia de fazê-lo, que fique claro!rnrnMas, mesmo assim, era lindo ver uma vontade dobrada tão facilmente. Deixa-me com uma sensação quente e úmida entre as pernas ao mesmo tempo em que sinto o fogo cruzar o fundo dos meus olhos esverdeados.rnrn?Coloque os grãos no chão.? Desta vez fui imediatamente obedecida.rn?Cuidado para que não se espalhem. Aponte a câmera para você enquanto faz isto?rnrnEle os catou cuidadosamente e, agachado, deixou-os relativamente juntos.rnrn?Agora. Ajoelhe-se sobre eles. É sua lição por hesitar.?rnrnEle levantou seu rosto, desacreditando do que ouvia, e eu pude vê-lo com clareza. Ele era bonito. Algumas sardinhas no seu rosto, mas não muitas. Aparentava ter, de fato a idade que havia me dito.rnrnE em seu rosto havia o olhar que denunciava que ele jamais havia passado por isto.rnrn?Alguma dúvida com relação à minha ordem?? disse em tom ameaçador.rnrnEle ajoelhou-se de pronto. De uma vez. Crispou levemente os dentes depois que seus joelhos acertaram os grãos duros.rnrn?Eu lhe ordenaria permanecer por 30 segundos. Como demorou a obedecer a ordem, que sejam 45. Nâo quero você sentado sobre suas canelas. Quero você ajoelhado, como numa prece. E repita incessantemente: Devo obedecer à minha Senhora sem hesitação.?rnrnEle, resignadamente, abaixou a cabeça e murmurou: ?Sim, Senhora.?rnrn?Eu quero ver sua cara, a sua dor.?rnrnSem questionar-me, ele levantou seu queixo e mirou a câmera sem pestanejar, sem um dedo de hesitação, enquanto repetia meu mantra pessoal.rnrnEste é todo meu ? pensei.rnrn?Devo obedecer à minha Senhora sem hesitação.?rnrn10 segundos.rnrn?Devo obedecer à minha Senhora sem hesitação.?rnrn20 segundos e ele fecha seus olhos, apertando-os.rnrn?Devo obedecer à minha Senhora sem hesitação.?rnrn30 segundos e ele crispa seus lábios.rnrn?Devo obedecer à minha Senhora sem hesitação.?rnrn?Não se mexa!? ? sussurrei com a voz cheia de tesão. A dor dele causou-me uma contração no clitáris.rnrn45 segundos.rnrn?Saia.?rnrnEle deixou-se cair no chão de taco e abaixou sua cabeça para ver a vermelhidão sobre seus dois joelhos acariciando-os com as mãos e removendo pequenos grãos rígidos que haviam entrado em sua pele.rnrn?Eu não lhe disse que poderia desviar seu rosto?.rnrnE ele me olhou. E seu olhar era doce e submisso. E triste.rnrnMeu coração acelerou e eu senti uma vontade imensa de tocar seus cabelos e acariciar-lhe a cabeça para mostrar-lhe que havia feito o certo.rnrn?Aprendeu sua lição??rn?Sim, Senhora. Eu agradeço.?rn?E o que você deve fazer, cachorrinho??rn?Devo obedecer à minha Senhora sem hesitação.?rnrnDe fato, a internet é muito útil. Muitos mares a serem navegados, afinal.rnrnE foi assim que meu cãozinho aprendeu sua primeira de muitas lições.rnrnMas sobre as demais, vocês já sabem. Outro dia.rnrnVeja mais em rainhasarah.blogspot.com

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos menino cagou o pau do padrewww.contos de incesto me viciei em deixar meu tio chupar minha bucetinha na minha infâncianegáo tira virgindade da baiana no motelirmãozinhos safadinhos fazebdo safadesacontos Rabuda com cheiro de bunda eu agora eu sou mulher do meu ex primo viuvo conto eroticoContos virei putinha quando vi o pau duro sou homenhistoria de novinha perdendo a virgindade com encanador okinawan gélico pornôpeguei meu pai comendo meu amigo conto eroticovi minha esposa dando mole contoscontos eroticos eu sozinha acabei gozando na calcinhaconto erótico da b******** Doeu muitocontos eroticos e tome gozada na caraminha namorada perguntou se eu era gay contoContos eróticos comendo uma travestir lindaas.gostosas.cimasturbando.duas.veseszoofilia garota de programa asustada com pauza do cavalo boneiContos eróticos minha mulher gemendo na rola do dominadormeu marido viu os amigos dele me comerem contosconto erotico escada da piscinarola na professora contoporno doido em cabines chupando e dando a buceta por buracos de paredesconto erotico incesto sonifero filhaminha empregada e minha esposa contos eroticosConto meu marido me obrigou a trepar com o mendigoContos eróticos jogo de seduçãoContos eroticos interraciais no escritorosconto comendo baiana casada virtualcontos velha casada fudendoConto eroticos de mae com filhocontos femininos padrinho analminha sogra foi estuprada e gostou contoscomto erotico com irman novinhahomem rasga cu de garotinho contosFoi deita do lado do tio e sentio algun duro minha mulher quer dar o cu p outro na minha frenteconto erotico desconfiei de minha esposaPorno conto erotico e massagempodolatria com a mulher do meu amigo conto eroticoWww mulher com buseda grande e bundas grande usada calsinha fie detal entranda na buseda calsinha molhadaconto erotico fui pra fazer um teste pra trabalhar e voltei pra casa cm a buceta ardendo de tanto darmamae nao aguentou no rabo dei para salvar o casamento contiscontos eróticos orgias bisexo gostoso contoscontos eroticos orgia nudistacontos eroticos orgia com negrinha crenteloirinha bem branquinha dos olhos azuis dando seu cuzinho pequeno apertadinho e fal q ta doendocontos eróticospagando minha primeira dívidao ocu e bucetaImagem Carla danada na zoofoliacontos eróticos passei a língua na xaninha da mamãe e cherei enquanto ela dormiagalimha contos eroticosdado pro tio na fazenda, conto gaycontos japonesa rabudaesposa viadinho hormonios conto eroticoContos eroticos o marido gostoso da primaContos eroticos de podolatria com fotos chupando pes de primas gostosas dormindocontos eroticos mais excitantes de casaisnoite maravilhosa com a cunhada casada contoscontos eroticos sou viuva tenho um sobrinho novinhoCuviolentadoContos eroticos casadinha muito apertadaContos erótico, eu e a filha Lauracontos gay comendo o muleke do orfanatoconto erotico surpresa na siricacontos sarro gostoso com meu genrocontos gays de cueca mijadaeu fui arrombadoAmor de filha parte 4 contos eroticosContos eróticos comi minha imagina sem camizinha e ela engravidouorgia com velhas contos eróticoscontos eróticos com fotos. sou uma mãe rabuda e adoro roludos.Sobrinhas do prazer contospassando a mao no grelhoVer fantasias de homem no xvidiogeovana tira a calcinha e da a bucetaContos eroticos minha esposa rabudacontos de chorei com a pica grande no meu cuzinho apertadocomto erotico comendo a amiga de sala de aulacu da irma madura contos fotos ilustraçoescontos eroticos sou coroa e gosto de garotaoBucetaamostra no onibus contos eroticoscontos porno dei para meu Ex historias olha bunda grande da titia coroa safada passa maoContos eroticos estupros coletivos veriticoshttps://av42.ru/conto_4864_tarde-inesquecivel.htmlconto erotico de tanto eu insistir em engravidei a minha professora eu era um menino