Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

EPISÓDIO 1 - O VOLUME NA SUNGA DO MEU PAI

A historia que vou contar aconteceu quando tinha 21 anos.

Todo verão, minha família acampava em uma praia práxima a minha cidade. A praia era deserta, com muitas pedras e furnas, muito bonita.

Meu pai sempre levava alguns amigos para pescar. Na época, meu pai tinha 42 anos, sarado, coxas grossas e ombros largos, pelos ralo, barba grossa e por fazer.





Tinha duas entradas ao lado do abdome que davam inveja a qualquer cara de academia.

Eu treinava em academia e era bem sarado também, meu corpo era parecido com do meu pai porém era um pouco maior.

Sempre admirei o corpo do meu pai e desde pequeno gostaria de ficar igual a ele.

Mas ha uns 2 anos comecei a olhar diferente para meu pai. A admiração começou a me atormentar, pois ficava excitado em olhar de cueca ou sunga.

Não queria sentir isso. Achava que o correto é sentir amor pelo pai e não tesão.

Tentava de todas as formas me concentrar em algo diferente quando via meu pai na praia principalmente.

Bom, um belo dia de praia, meu pai me convidou para ir arrastar rede na praia com os 2 outros amigos dele. Disse que em 4 pessoas seria mais fácil arrastar e pegar mais peixes.

Eu topei inconsciente assim que vi os 3 de sunga.

Eu estava de sunga azul clara, meu pai estava de sunga vermelha e os outros 2 de sunga preta.

Meu pai tinha um volume muito grande na sunga no qual seu pau marcava e ia para o lado.

O meu pau também fica marcando e as vezes fico com vergonha pois fica muito evidente e as pessoas reparavam assustados.

Fomos para a praia com a rede enrolada em um saco grande.

Os 2 amigos dele levaram e eu e meu pai ficamos andando na frente.

Riamos e falávamos sobre putarias e tudo mais.

Conforme meu pai andava, o volume na sunga balançava e eu não conseguia tirar os olhos.

Ele começou a perceber que eu estava olhando e até olhou para seu práprio volume para ver se tinha algo de errado na sunga.

Ele viu que não tinha nada e continuou a conversar conosco.

Os amigos do meu pai tinham um rabo muito gostoso, que marcava na sunga e entrava no rego.

Era meio apertadinha e marcava o pau tb mas com menor proporção do meu pai.

Então paramos e começamos a arrumar a rede para entrar no mar.

Meu pai notava que eu puxava a rede de olho no seu volume.

Meu pau começou a ficar meia-bomba e ele percebeu e olhou meio assustado.

Depois fez que não era nada e continuou a puxar e esticar a rede.

Não consegui controlar e os amigos do meu pai logo perceberam do meu volume na sunga, tentei disfarçar, mas não tinha nada para cobrir.

Então fiz que não fosse nada e continuei com eles.

O assunto começou a ficar menos frequente, pois eles não conseguiam falar e olhar para mim com aquele volume todo.

Tenho 20cm de pau e grosso, então, qualquer reação já faz um volume na sunga.

Chegou a hora de entrar na água com a rede. Entrou eu e meu pai de um lado e os outros 2 do outro lado da rede para puxar mar adentro.

O mar estava "puxando" muito e tínhamos que fazer muita forca para conseguir segura-la.

Pedi para meu pai me ajudar pois não estava conseguindo segurar sozinho.

Ele veio e ficou do meu lado. Sua coxa começou a roçar na minha e meu pau ja estava duraço dentro da água. Ele não via e continuava a puxar a rede.

Meu pau estava apontado para o lado dele e logo começou a encostar ao lado da sunga do meu pai.

Isso me dava mais tesao ainda. Eu estava confuso pois nao queria sentir aquilo pelo meu pai.

O mar recuou e tivemos que fazer mais forca, nessa hora ele foi para frente de mim e encostei todo o meu pau em um lado da bunda dele.

Naquele momento eu queria que o mar continuassem a puxar a rede para não sair daquela posição.

A bunda dele roçava na minha vara e eu não podia acreditar que estava excitado pelo meu pai.

O mar parou de recuar e voltamos ao normal, um ao lado do outro segurando a rede.

Ficamos ali segurando esperando para que os peixes ficassem na rede.

O mar logo recuou de novo. Dessa vez meu pai foi para trás de mim e segurou forte a rede.

Senti todo o pau meio mole encostando no meu rabo. Ele fazia forca e dizia "Aguenta a rede, forte". Meu tesao estava fora de controle, aquele abdome sarado encostava-se às minhas costas e eu sentia todo o seu peito bem como sua pica no meu rabo. Então o mar voltou e paramos de nos encostar...

Ficamos um pouco no mar depois saímos puxando a rede para fora.

Meu pau estava duro e não consegui deixá-lo mole. Meu pai estava com o pau meia-bomba. O volume era impressionande e ipnotizante... Não consegui deixar de admirar aquilo.

Retiramos os peixes da rede e colocamos no balde para levar.

Pegamos poucos, pois não era uma época boa. Mas na verdade queríamos ter a aventura de pescar na praia.

Os amigos do meu pai ficaram constrangidos ao olhar meu pau com todo aquele volume, mas logo foram se acostumando.

De tardezinha, nos reunimos para comer os peixes assados e beber cerveja e conhaque.

As mulheres foram para a barraca fofocar e nos ficamos ao redor de uma fogueira comendo e bebendo.

Estávamos todos de sunga ainda. E lembrar daquele cena estava me deixando louco de novo.

Meu pai conversava em pé, ria e passava a mao em seu abdômem. Dava umas arrumadas no pau tambem.

Ele bebia conhaque e as vezes deixava cair um pouco na sunga.

Eu fiquei sentado na cadeira pois meu pau estava num estado gigantesco. Eles falavam das fodas que faziam quando eram mais novos e riam.

Então, chegando certa hora da noite, os amigos do meu pai falaram que iriam para as suas respectivas barracas dormir e pediram que eu levasse meu pai pois já estava meio tonto.

A fogueira foi apagada e eu leve meu pai até a barraca da minha mãe.

Eu abracei meu pai para levá-lo e meu pau duraço encostava ao lado da sua sunga vermelha, bem práximo do pau dele. Estava babando a minha sunga de tanto tesao.

Chegando na barraca, minha mãe disse que não iria dormir com ele com aquele bafo de conhaque e que se ele quisesse, dormiria na minha barraca.

Eu concordei, obvio, e levei até minha barraca.

Ele se ajeitou no colchão e eu deitei do lado. Deixei o liquinho(luz) ligado, pois queria ficar admirando aquele corpo todo ao meu lado. Aquele volume na sunga me deixava mais louco ainda, não conseguia dormir.

Então, depois de 1 hora +- ele me puxou e me abraçou, já dormindo. Meu pau começou a encostar no volume da sunga dele. Comecei a mexer meu pau no dele bem de leve para que não percebesse.

Segurei na sua cintura, de lado, um de frente para o outro e minha cabeça no seu peito, bem práximo ao seu mamilo durinho.

Senti aquele cheiro de homem. Seu suor cheirava gostoso. Comecei a babar na sunga. E seu pau começou a endurecer do lado do meu.

Sua rola começou a crescer para o lado e o volume era tão grande quanto o meu. Resolvi descer minha mao e passar bem de leve no seu pau, por cima da sunga.Nao consegui me controlar.

Era uma pica grossa e macia. Começou a molhar a sunga e eu fazia movimentos suaves em seu pau.

Me gelou quando me dei conta que ele podia estar vendo até que ponto eu poderia chegar.

Mas logo percebi que ele estava tonto e nem mexia direito. Respirava fundo.

Resolvi tirar seu pau por baixo da sunga lentamente.

Olhei aquele rola cabeçuda, do tamanho da minha, grossa e cheio de veias. Toda babada.

Tirei meu pau por baixo da sunga também e comecei a tocar uma para nos dois suavemente na mesma mao. Mal cabia os 2 paus em minha mao. Ele babava em mim e eu nele.

Olhei para a cara dele e ele estava com a feição de que estava relaxando com aquilo.

Seu corpor estava ficando arrepiado e as vezes ele resmungava como se estivesse sonhando.

De repente, um jato de porra disparou em mim me lavando todo. Uma porra espessa, branca, com cheiro forte. Passei a mao no meu abdomem e peguei um pouco de sua porra e levei ao nariz para sentir melhor o cheiro. Nao resisti e comecei a lamber.

Eu não me aguentei e gosei nele. Estava com tanto tesao que lavei sua sunga de porra.

Apontei o jato de porra para seu abdomem e sunga.

Peguei mais porra no meu abdômen e lambi para sentir o gosto. Era um gosto salgado e gostoso.

Arrumei seu pau e deixei ele como estava. Deitei para o lado e dormi.

No outro dia quando acordei, ele já estava na praia tomando banho com a mesma sunga.

Senti aquele cheiro de porra na minha barraca e lembrei-me do ocorrido. Meu deu um tesao novamente e nao pude evitar a vontade de querer mais.

Sai da barraca e fui tomar café. Depois de um tempo, meu pai e amigos vieram todo molhados para a mesa que instalamos ao centro de todas as barracas.

A sunga do meu pai estava molhada e seu volume marcava muito.

Seu pau parecia estar meia-bomba. Não conseguir parar de olhar aquilo

Ele me tratava como se nada tivesse acontecido e fiquei mais relaxado.

Eu estava sentado e seu pau ficava na altura da minha boca enquanto ele conversava com os amigos e tomava uma xícara de café.

Comecei a ficar de pau duro ao sentir o cheiro de porra que saia da sunga dele. Tinha uma mancha esbranquiçada em sua sunga, bem perto do volumao. Também dava para perceber que nos pelos ralos do seu abdômen estavam com um pouco da minha porra ainda, grudada.

Eu estava louco para colocar aquele pau todo na minha boca e sentir seu jato quente.

Fiquei olhando para o pau dele e um dos amigos disse: "O bixo tá fissurado, hahahah"

Meu pai riu e olhou para o meu pau e disse, "é é...temos que apresentar aquela casa de show pra ele com aquelas gatas".

Eu ri também para não ficar sem graça.

E o pau do meu pai começou a ficar duro. Os dois amigos saíram e meu pai ficou comigo, em pé, na minha frente tomando café.Seu pau tomara forma para o lado. Ele olhou ao redor e viu que estavamos sozinhos.

Ele disfarcou e arrumou seu pau na sunga. Ele viu que percebi seu volume..

Nessa altura, meu pau já estava todo babado e ele disse: "Hoje você vai tomar um conhaque comigo, não tem desculpa!".

Eu sou fraco para bebidas fortes, mas mesmo assim aceitei.

Depois de um dia de praia com muita brincadeira, futebol e jacarezinhos no mar, chegou a tao esperada hora de se reunir na fogueira de tardezinha para comer e beber.

Meu pai encheu meu copo de cohaque e os amigos ficaram na cerveja. Dei um primeiro gole e resolvi ficar fingindo que estava bebendo.

Eu queria na verdade era estar bem acordado para repetir tudo aquilo com meu pai na barraca.

Ele começou a beber a aos poucos ia jogando cada vez mais conversa fora. Sorria a toa.

Coçava seu abdômen e às vezes apertava seu pau na sunga. A luz da fogueira desenhava toda a sua vara naquela sunga vermelha e com manchas esbranquiçadas da minha porra da noite anterior.

Os amigos do meu pai riam do estado que ele se encontrava. Suas bundinhas, marcando na sunga, me deixavam louco também. Peguei meu pai olhando diversas vezes para a bunda deles.

Meu pau estava quase duro e melado na sunga. Era perceptível. O cheiro de porra e macho se misturava entre nás. Meu pai, às vezes, parava os olhos na minha vara e depois olhava para o outro lado para disfarçar.

Eu já nem disfarçava. Olhava mesmo o rabo deles e volume na sunga. Meu pai falava de putaria, talvez para justificar seu tesao aparente na sunga.

Os amigos estavam com pau meia-bomba falando da mulher que os 3 pegaram em uma festa na época do quartel.

Depois de alguns tragos, o pau do meu pai já latejava e babava na sunga. Ele apertava e arrumava o pau para o lado para não sair da sunga.

Então fui por trás do meu pai e abracei dizendo que ele era meu grande amigao e parceiro de todas as horas. Meu pau encostou no seu rabo durinho e dei uma roçada já que ele estava tonto. Nao ia perceber nada.

Comecei a pensar que na noite anterior ele estava fingindo que estava dormindo. Isso me deixava muito preocupado.

Ele segurou meus bracos em seu pescoço e fiquei alguns minutos rocando meu pau em seu rado. Se ele mexeche um pouco mais, acho que teria gozado ali mesmo.

Passou mais 1 hora e resolvemos que já estava tarde e que se continuássemos, iríamos cair.

Cada um foi para a sua barraca e levei meu pai de novo para a minha.

Deitei meu pai de novo e desta vez o seu pau já estava molhando minha sunga. O cheiro de porra me dava tesao. O cheiro dos nossos suores era delicioso.

Ele logo dormiu(ou fez que dormiu, não sei). Eu fiquei de lado com ele, bem proximo. Comecei a passar a mao em suas costas como se estivesse fazendo carinho. Ele estava de lado e virado de frente para mim.

Aquela vara ficava querendo cair para frente dentro da sunga.

Eu estava com muito tesao e quanto mais proibida era a situação, mas tesao me dava.

Passei a mao proximo ao pau e logo sua rola dava sinal de vida.

Fiquei passando a mao em seu abdomem de leve e chegava vem proximo a cabeca do seu pau.

Percebi uma gota molahndo a sunga.

Tirei a vara para fora de sunga e fiquei olhando bem proximo. Resolvi me virar na posico 69 para chegar mais proximo a sua rola. Nao resisti aquela baba saindo. Aquele cheiro de sexo saindo de sua sunga.

Botei a lingua na cabeca do seu pau. Vi que ele nao fez nada e resolvi cair de boca.

Lambia ela inteira, tomava aquela baba suavemente. Curti tudo aquilo durante uns 40 minutos. Aquele pau não parava de babar e o meu também.

Meu pau ficou muito práximo a boca dele. Eu estava ainda de sunga e resolvi tirar o meu pau por baixopara encostar nele.

Meu pau encostava nos seus lábios e babava em seus labios enquanto eu engolia toda aquela vara aproveitando cada centímetro.

Comecei a forcar meu pau para dentro da boca dele e foi entrando. Ele começou a mexer a língua, acho que era por causa da salivação. Meu tesao estava nas alturas.

O pau dele comecou a inchar e já tinha sinais de que iria explodir na minha boca.

Eu engolia cada vez mais. Então ele gozou e me encheu a boca de porra...

Eram jatos fortes e quentes. O pau pulsava e ficava cada vez mais inchado.

Começou a escorrer pela minha boca e a sujar mais inda aquela sunga tesuda que ele estava usando.

Pouco depois, ainda com aquele mastro na boca e bebendo aquela porra, gozei em sua boca.

Jatos fortes também. Começou a escorrer por sua boca e ele engolia um pouco conforme os jatos pegavam na sua língua fazendo com que deglutisse automaticamente um pouco de porra.

Peguei um pano e retirei o excesso. Guardei seu pau todo melado na sunga e fui dormir.

No outro dia ele acordou e disse que tinha dormido muito bem.

Ele notou o cheiro de porra e depois viu sua sunga manchada e meio molhada. Entao falou: "Nossa, tenho que lavar essa sunga" e eu disse: "Eu também".

Depois fomos todos para casa e sempre que ele bebe uns conhaques fico de prontidão para levar ele pra casa. Ele nunca fez nenhum questionamento. Mas creio que ele sabe e gosta. Faz de propásito já que nunca teremos coragem de falar e aceitar esse fato como pai e filho.

Eu prefiro assim.

(to be continue)

[email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos dando ao sobrinho piveteconto erotico peguei minha mulher fudendo com os amigos que vieram passar o carnaval em casaUm menage em casa com minha esposa conto eróticoscontos erótico sou evangelicacontos eróticos de viados que foram fudidos ouvindo palavrõescontos eroticos tia e sobrinho tranzando tia ingenua contos eróticos gay titio safadoSecretaria inocente contos eroticosMae fudeu tio estoriacontos eroticos aposentadas cavalasesposafoi.encoxadacontos eroticos minha,mulher paso dos,limitesminha cunhada traindo meu irmao com o patrai contoscontos eróticos com pezinhos da chefeVoltei gozada pro meu corninho contocontoseroticos foi fuder no mato e foi comida por malandrosxxx videos mulheris bem safadas que brinca com o pauzinho pequeno do marido tampinhaNo baile funk doidinha se esfregando de maisdei pra passar contoscontos eróticos comi evangelicaconto brincando com o pinto do meu padrastoconto erotico enfiou vela acesa na minha bucetacontos eroticos dando a xota para o meu primo e o amigo dele na casa deleporno homen bebeno gala du trans dotaduenchemos a boceta de porraconto erotico com amiguinho do meu irmaoconto gay paguei enfiei pregascontos eroticos de urologista e pacientecontos eroticos a amiga da minha irmaembebedei minha mulher e consegui comer o c* delao dia em que passei a amar zoofiliaconto erótico meu sobrinhocontos eróticos eu comi minha irmãxvideo porno gay amigos bateno punheta na casa abondonadacoxas grossas e b***** bem rosadinhacontos erotico sou cazada beti punheta pro meu amigo pornoso mrninas na mastubando n causinha toda melada video mobilconto erotico confessei para o meu maridovideo de homens nu de pau grosso e barriguinha salientecasada dando o cu no bairro de na casa do ferantecontos eroticos sadomasoquismo com putascontos eroticos com coroa taradoFui encoxado no ônibus conto erótico gaymulhe fudendo con um pau de buracha gruso na boseta esfoladaconto eroticos casa dos contos vi minhs mae no rolono dos negoeswww.pegando a sogra veridicoconto erótico gay o pai do meu primo pauzudo conto erotico troca de casais com homen de pau enormecontos porno minha esposa me pediu pra dar.pra outroContos eroticos comendo cu da madrasta e da meia irmaconto real de pai de 50 anos sarado fazendo sexo com seu filho novinhocontos eróticos pai a cabando com a bunda grande da vovócontos gay virgencontos eroticos garoto e mae bundudoso homem abre a periquita da mulher e chupa e coloca um botijão dentro da vajinhazoofilia cavalo violentos o dedãoContos enfiei o dedo no cu do meu marido ma frente do meu amantecontoseroticos homem chupando pau sujo e bebendo mijoChupei ContosSex idosa desmaiando gosandocontos eroticos meu padastro mim estropo no onibuscontos eroticos fodendo minha cunhada novinhaconto erotico casada humilhada por maginaisbunda queria sentir a Rola entrando devagar contoContos eroticos menininha no colo do papai dormindo e a pica penetrandpsexo com a irmãzinha contos eróticosafastou as carnes do cu piça perfurou minhas entranhas contosconto gay coroa da pica grandeconto anal evangelica carnudacontos eróticos 2 meninos comeu minha mulhercantos eroticos de casada dando o cu vergiconto erotico gay meu amigo rasgou meu cuContos eróticos Bebêcontoseroticosdando o rabo pro primo brabo de pau grandeconto gay com hetero na praçaconto eroticos fui obrigado a fuder minha irma num estuprocontos eróticos, dominada, enquanto meu noivo jogava futebol tu és meu noivo, menti que ia estudar mas o meu dono agora é elecontos eroticos de mulheres sendo fudida no tremcontos eróticos gordinhasdeflorando bucetinhas com pepinosaos 60 anos dei a buceta pro menino de 15 contoscontos gay coroa de 80anosconto erotico a honra da casaesconder esconde contos eróticos contos eroticos Sou arquiteta, 28 anos, morena do tipo gostosatextos contos safadinhas meninas viadinhos estcontos eroticos minha sobrinha adorava mamar minha pica