Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

COMIDO PELO SARGENTO

O melhor sexo é aquele inesperado. Aqui me chamarei de Eduardo, tenho 27 anos, sou militar (oficial), tenho 1,74 78 kg, corpo normal, moreno e aparentemente muito mais novo. Sempre tive namoradas, mas na adolescência também tive algumas relações sexuais com outros homens. Foram poucas na verdade, e isto nunca me incomodou ou me suscitou alguma duvida sobre minha sexualidade. Apesar de não ter qualquer preconceito, não me identifico como homossexual sá por estas experiências. O que irei relatar REALMENTE aconteceu no inicio deste ano, e depois de tanto tempo sem qualquer pensamento libidinoso com outro macho.

Faço parte do quadro complementar de uma força que não irei relatar por razões ábvias. Ou seja não sou oficial de academia e sim formado para exercer minha profissão. Na unidade que trabalho, o militarismo é forte e ao contrário do que pensa a maioria das pessoas, nunca soube de alguma vez terem flagrado sexo dentro do quartel, até porque isto é crime tipificado no cádigo militar. Apesar do cargo, me dou muito bem com meus subordinados, sempre me tratam com respeito, mas sem muita rigidez. Em janeiro ultimo uma equipe da unidade viajou para reconhecimento de área e eu fui obrigador a ir, mesmo sem gostar muito de acampar. Estávamos em doze, sendo oito praças e dentre eles o sargento que aqui irei chamar de Cardoso. Cardoso é um militar que, pela amizade que tem com outros oficiais, é meio folgado. Brinca muito da risada e sempre se achou o especialista. Ele tem mais ou menos 38 a 40 anos, do tipo parrudão, digo forte sem ser malhado. Barriguinha de cerveja, moreno claro e casado com dois filhos. Já soube de muitas historias dele. É do tipo fudedor e pegador de menininhas, ele mesmo não escondia na roda de amigos sua preferencia pelas mais jovens. No penúltimo dia no mato, estávamos todos muito cansados da jornada. Já se tinha cinco noites dormindo em sacos de dormir, e o pior que a chuva aumentava muito o peso do equipamento e da mochila. Cada um tinha uma barraca e Cardoso, displicente, esqueceu parte das hastes de montagem da sua no local que havíamos acampado no dia anterior. Sá quando chegamos no local para acampar e depois de horas tomando chuva na trilha, ele percebeu a besteira que fez. Estava tudo encharcado, principalmente o saco de dormir. Como não estávamos em treinamento ou curso e sim em uma missão de reconhecimento o clima descontraído do turno permitiu que todos tirassem muito sarro da cara do sargentão. Porem ele teria q se abrigar com outro, pois não dava para dormir no temporal. O Comandante me indicou por causa do meu tamanho, um dos menores ali, para compensar com grandalhão do praça. Até ai beleza, não havia passado absolutamente nada na cabeça, mas quando fomos dormir, ficava claro que não iria dar certo.

- Po comando, a barraca é pequena. Vamos ter que nos apertar. – ele me falou isto meio sem jeito, mas de fato eu tava com caras de poucos amigos mesmo. Cansado e tendo que me apertar. Mas não tinha jeito. Eu já tinha retirado a farda molhada e colocado uma calça de tactel e uma blusa de ed.física, ele estava de camisa e um short que parecia ser de futebol. A chuva piorou e já era tarde, fechamos a barraca e foi ai que vendo ele com aquele short, que delineava sua mala, naquele aperto que me veio o tesão. Tratei logo de deitar, apaguei a lanterna e me virei para outro lado, ele se virou para o outro, e começou a puxar conversa. Assuntos militares, futebol e trivialidades. Fui ate um pouco antipático, mas realmente estava querendo dormir, acho que quando adormeci deixei ele falando sozinho. Passou um tempo, deveria ser inicio de madrugada quando despertei com seu ronco e percebi que Cardoso estava virado para meu lado, sem camisa e bem perto a ponto de sentir sua respiração no pescoço. A chuva escorria pelas laterais da barraca e tínhamos que ficar no centro mesmo. Cutuquei ele com o cotovelo para ver se ele parava de roncar e deu certo, porém ele permaneceu ali, acho que nem havia despertado. A presença opressora daquele macho na situação me fez pirar e comecei a ser tomado pelo tezão. Estávamos tão práximos que parecíamos um casal em conchinha. Pensei em acorda-lo para que se virasse ou se afastasse, mas o desejo e o calor da presença não deixaram. Foi então que resolvi, insanamente, chegar mais para seu lado na intenção de poder sentir seu cacete com a bunda. Quando encostei pude sentir a diferença de tamanho entre nossas cinturas e pernas e senti o longe volume do pau. Pronto, para mim tinha sido o limite, porem, percebi que ele acordou na hora que encostei, voltei para posição inicial rapidamente e fiquei gelado, tomado agora pelo medo da desmoralização, da vergonha. Será que ele percebeu? Para minha surpresa, ele não saiu do lugar, ao contrário depois de alguns minutos se aproximou mais de mim. Fiquei estático e sem ação, então ele ficou ainda mais perto a ponto de me deixar acuado sem ter como me mover na barraca. Percebi que estava acordado, mas não tive coragem de lhe falar nada, fingi que dormia. Oras, mas como se consegue fingir que esta dormindo com um homem daquele, sem camisa, peito peludo, pernas bem grossas e com aquele short, praticamente colado com você?? Não resisti e depois de um tempinho de inércia (acho que ele também não tinha certeza) encostei de vez nele, alias fiz pressão e fiquei empurrando-o com a bunda. Foi o sinal. Ele fez pressão contrária e pude sentir sua rola endurecendo colada em mim.

- SSSSSSSSS,.... puta que pariu. - Ele gemeu baixinho no meu ouvido. Eu já havia me entregue ao tezão e não pensava mais. Foi então que Cardoso passou o braço pelo meu pescoço, me dando uma espécie de mata-leão e o outro passou por cima do meu tronco, me abraçando por traz. Estava dominado pelo macho que agora roçava bem devagar seu pau na minha bunda. Começamos a sussurrar:

- para, senão irão perceber...

-tranquilo comando, ninguém vai ver não.

-Cardoso, solta meu pescoço, ta machucando...

-cala a boca viado! Você é do sargento agora puta!

O desespero de alguém ouvir e o medo se misturavam com um tezão nunca antes sentido; meu pau estava duro como uma pedra, sá não estava mais duro que o do meu algoz, que mesmo estando vestido, pude sentir sua uma ponta grossa e invasiva querendo me fuder. Ficamos praticamente imáveis da cintura para cima naquela felação, até ele baixar um pouco minha calça e retirar o pau do short. Eu não estava acreditando, que o sargento me usava daquela forma. Não fazíamos qualquer barulho, nem movimentos bruscos, tudo bem no miudinho. Ele cuspiu na mão e passou no meu cu. Tremi, e nem tinha visto o cacete dele. Começou a forçar a cabeça que deu para perceber ser bem grossa e sussurrou:

-fica quieto e relaxa putinha....SSSSSS...ta entrando..

Foi uma dor lasciva, mas a rola tava dentro. Esbocei uma reação, mas estava completamente dominado. Ele ficou paradão com sua pica dentro de mim por um tempo que parecia interminável, e sá depois começou a tirar e meter. Não tirava nem a metade da rola e botava dentro de novo, começou a fazer isto com uma destreza impressionante. Rapidinho e quase com o corpo todo parado, so mexia a cintura. Delícia, relaxei mais e me entreguei de vez. Ficamos assim por mais uns vinte minutos, so sentia sua respiração contida no meu ouvido, e eu me controlava para não gemer.

-UHHHH, ..., vou gozar puta!!!! – gemeu baixinho.

Logo senti seu pau inchar dentro e algo quente me inundava. Nunca havia sentido nada igual, gozei na mesma hora sem nem pegar no pau, que ainda estava dentro da calça. Ele me soltou, e na hora que tirou o cacetão, senti o vazio deixado. Ali mesmo, ele se virou e pegou no sono. Acordei cedo, antes de todos e fui tomar banho no rio, quando voltei parte da tropa estava levantando barracas e se arrumando. Ninguém percebeu nada, e Cardoso, já tinha desmontado a nossa.

- bom dia comando – como se nada tivesse acontecido

Cheguei perto dele e disse reservado – Cardoso, o que aconteceu aqui, morre aqui.

- Pode ficar tranquilo, não sou doido não.... – e me deu um sorriso sacana. Levei na brincadeira, sai e não dei atenção, mas morrendo de vontade de servir de novo aquele macho.

Esta foi a melhor foda que já dei. Curto caras assim, mais velhos e de preferencia casados, pois tb sou noivo. Sou passivo e prezo muito pelo sigilo. [email protected]



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos mendigosconto erotico esposa sendo duplamente penetradacontos eróticos gravou tia dando pra doisContos eroticos estupros coletivos veriticosgenro da piroca grossa deixa sogra doidinha,contos e relatos eroticoscontos minha filha novinha deitou com eu e a sua mae...e a pica comeuporno doido em cabines chupando e dando a buceta por buracos de paredesEnfiando na bundinha ate eta sentirconto eróticos c afilhadaconto erótico viadinho de calcinha e os mendigosvirei cadela contos gaysContos eróticos dei pra todos os homens da famíliacontos de coroa com novinhoele me tocou por tras com imtensidade contos eroticosna praia com a mae do amigo contoscomo e que aimha vagina abre na hora do sexo?contos transei com velha e buçetudaSou casada fodida contoaravando as pregas do cu virgem fa espozaconto com cunhada chantagistaconto entreguei os pés da minha mulher para um amigocontos eróticos dei a boceta pra um pônei e me dei mal ele me rasgo a bocetaContos erotico marido corno bebedor de porraamigas pegao mendigo na rua da banho e depois/punheta/elecontos eroticos pratiquei zoofilia porke meu marido me deixo na vontadeContos eróticos titiohttps://spbgau-kf.ru/conto_234_pai-e-filha.htmlcasada queria muito o pauzao do velho contosesposa bebada se abrindo apos a farra no bar contoconto transei com borracheiroconto cinema porno casalfamilia naturista contosfudeno com duas gostoda e cozamo na caraconto erotico comvidando visinha pra fudersentou no meu colo conto eroticoContos de ninfetas que gostam de andarem nuasContos de casadas gravidas fudendo com dois ao mesmo tempoconto erotico cavalo poner rebenta as prega do cu da mocaDei o cu pro tio contoshttp://max prime gay vibrado cosolo esga no cu na hora vidiomeu amigo viu o bucetao da minha esposa contoXXx família nudista e suas meninascontos eroticos cuzinho pro paiContos gay usando meu genrocontos gay meu primo ensinouPorn contos eroticos o mulato amigo doo filhoConto erotico meu tatuador me fudeuconto agarrada no onibuscontos eroticod vadia chora na rolatransei com minha tia nas dunas da praiaConto erotico gay sr.juvenalmulher tarada Senta no pau do boneco no Fláviocontos colega safadinhadisisperando novinha com gosta da na chotasantinho do pau na boca uma laranja viu pau na boca na bunda na sua boca a bocacontoseroticosdando o rabo pro primo brabo de pau grandeContos eróticos mão inteira dentroconto ela estava no quarto nua e o sobrinho na salacontos eroticos iniciaçãoIrmão fodendo a irma lesbica a força, amara ela e violenta gostoso contos eróticoscontos dei o cu e chupei pau com bostafiz amor com minha irmaincesto realidade fantasias contoHetero comeu o gay contoscontos meu namoh me cmeucontos o moleque safado e dotado me provocava usando sungafui trabalhar e meu marido usou minha calcinha fio dental contosver homens bem-dotados sendo castradosprimeira vez em fraldas tesãoirma feiz sexo comigo eu gozei na boca delaminha tia crente viuva contosrelato gay chorando no cacetãocontos eróticos entre mulheres e homens super dotadosporno contos eroticos encerto descobri que meu marido que ser cornoconto traição sobrinha recém casadacontos eróticos esposa sodomizada no metrôcorno na minha propria casa contos eroticocontos suruba inesperada com a esposa e travesticontos prima batendo uma pro primoContos safada desde novinhacontos eroticos exibindo minha esposa no banhosentei no colo do meu colega no onivus e ele ficou muito excitado contos de mulhercontos eróticos fudendo a prima e a tia com preliminar