Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

AS ORGIAS DE ROMA I- INTRODUÇÃO

As orgias de Roma-



I introdução



Augusto é o líder da décima terceira companhia do futuro imperador de Roma, Julius Cezar. Augusto é temido por seus subordinados e respeitado pela bravura e honra aos seus comandantes, porém, graças a uma guerra entre romanos e gauleses ficou longe dos braços de sua esposa por longos 6 anos. Augusto se casou com Natalia, q ainda com 19 anos não teve escolha, e em um casamento arranjado pelo seu pai se casou com um soldado que apesar de bonito, não sabia satisfazer sua mulher na cama no tempo em q estavam juntos. Entrava em casa e sá falava com a esposa para impor q a mesma abrisse as pernas para ele estocar com virilidade seus 19 cm em sua buceta. Orgasmo feminino? Apesar de essas palavras mal existirem no vocabulário romano, poucas mulheres já sabiam o que é o prazer de um sexo com desejo.



Os seis anos longe de casa fizeram bem a Augusto, q mais maduro com 25 anos começou a pensar se a mulher gostava de ficar ao seu lado da mesma forma q ele. Percebeu que amava sua mulher e queria que o sentimento fosse recíproco, possuíam um filho do qual Augusto ainda não conhecia.



2



Mas a vida, é a vida, é uma caixinha de surpresas (rsrsrs não resisti), Augusto não sabia que 19 dias apás sua partida a esposa foi informada que seu esposo foi morto a caminho da Gália. Natália não sentiu em nada a perda do marido, em casa sendo consolada por sua irmã e seu cunhado Carlos, percebia os olhares gulosos do mesmo para seu belo traseiro e pensava consigo mesma:



- Esse cafajeste não respeita nem a presença de minha irmã



Apesar de ainda um pouco inocente sempre percebeu que seu cunhado a desejava, olhava em seus olhos, dava pequenos toques sem que Augusto percebesse, Natália não entendia o porquê de não contar a seu marido sobre os gracejos do cunhado, talvez fosse por saber q com certeza seu marido o torturaria e o mataria ou talvez no fundo ela gostasse de ser desejada por outro homem.



3



Em algumas oportunidades sua irmã Juliana lhe contou como seu cunhado lhe proporcionava tanto prazer ao copular:



- Carlos me da tanto carinho ao longo do dia que, que nem parece a besta selvagem que é ao anoitecer.



-Como assim minha irmã? Seu marido é um bruto como o meu?- pergunta Natalia não entendendo.



-Não, ele faz algumas coisas que eu adoro, mas me disse que não devo contar a mais ninguém, pois falarão mal de mim.



-Mas eu sou sua irmã, em mim pode confiar que não direi a ninguém e também não a recriminarei, já que diz que gosta.



-Quando estamos transando ele me xinga.- falou Juliana toda corada



-Como assim xinga? E você gosta?



-Ele me xinga de vadia, vagabunda, de prostituta; e ao mesmo tempo vai socando forte a pica na minha buceta, parece um animal.



-Por Apollo! Como você pode gostar de uma coisa dessas? Pergunta Natalia q já podia sentir sua buceta escorrendo.



-Minha irmã, quando ele faz isso me da muito mais tesão, é uma sensação incrível. As vezes até perco as forças de tanto prazer que sinto, mas não é tudo, ele faz algo que me excita ainda mais.



-O que? –pergunta já retorcendo as pernas



-Ele me manda ficar de 4 e soca aquela piroca enorme em mim, dá mesma forma q os cachorros cruzam com as cadelas, me dá alguns tapas e as vezes até puxa o meu cabelo. Mas tudo isso de um jeito que eu sinta dor, mas não me machuque, e a cada tapa eu sinto mais tesão ainda.



-Você parece doente, como pode uma dama gostar disso?



-Não Natália, muito pelo contrario, quando meu marido faz essas coisas me sinto a fêmea mais feliz do mundo, sinto prazer em lhe proporcionar isso. Você devia fazer com seu marido.



-Eu? Nunca, se contasse isso a Augusto com certeza ele me mataria...



A conversa é interrompida quando Augusto entra em casa, a esposa sempre sabe que deve servi-lo imediatamente quando o mesmo volta de alguma missão.



4



Natalia volta de suas lembranças ao perceber q sua irmã foi lhe buscar água, embora não chorar pela perda do marido se sentia desprotegida e por isso estava abatida, Carlos aproveitando o afastamento de sua esposa abraça sua cunhadinha “querida”. Ela sente o abraço másculo, mas ao mesmo tempo gentil, seu rosto esta apertado no peito do cunhado, ela da uma profunda cheirada sentindo o odor de Carlos, q com uma mão faz um cafuné em sua cabeça e a outra esta firme a sua cintura lhe trazendo pra perto.



-Estará ele tentando me seduzir? Ou esta apenas me consolando? Pensa Natalia, que já não se importando com a resposta, esta toda mole nos braços do cunhado.



Carlos aproveitando a entrega da cunhada desce seu rosto até o pescoço de Natalia e senti o aroma doce daquela fêmea que cedo ou tarde seria dele, ela se arrepia toda com o gesto e os bicos dos seus seios inevitavelmente ficam eriçados, fato quase imperceptíveis pois apesar do decote sua tunica esconde muito bem as suas auréolas. Sendo mais ousado ele começa a descer sua mão à enorme bunda da cunhada e ao mesmo tempo lhe da um beijo no pescoço seguido de uma leve mordida



-Meu Deus que rabo mais lindo.- sussurra Carlos



As primeiras palavras do cunhado fazem Natalia despertar do transe e lembrar que sua irmã estava apenas buscando água. Rapidamente lhe da um leve empurrão, o bastante para se soltar e poder levantar, ao mesmo tempo lança um olhar de reprovação ao cunhado que instintivamente leva a mão ao pau e da uma apertada. Natalia não pode deixar de notar o tamanho do pinto do cunhado.



- Por Zeus, com certeza é maior que o do meu marido- pensa Natalia sentindo sua gruta toda molhada.



Ela estava criando forças pra dizer algo, mas é interrompida por sua irmã que chega com a água e um pão, que segundo ela, foi comprar no comércio do Sr Aristáteles. Sim, ela foi mesmo à venda, mas o que ninguém podia imaginar é que ela não pagara pelo pão e já algum tempo não fazia isso, ou melhor, pagava, mas não em dinheiro, fato q pode ser contado em outra oportunidade.



Temendo que sua irmã percebesse o flerte entre os dois, Natalia praticamente os expulsa de sua casa.



-Pode ir embora minha irmã, eu ficarei bem por enquanto. Daqui a alguns dias pretendo voltar a casa de minha mãe. Sá ficarei pra prestar as homenagens ao meu marido.



-Ok Natalia. É melhor irmos mesmo, você precisa descansar. Mas não fique triste, sei q você ficará bem, se precisar de algo não exite em ir a minha casa. Estarei sempre passando por aqui e Carlos também quando eu não puder.



-Obrigado, mas eu ficarei bem



Continua...



É o meu primeiro conto, quero a opinião sincera de todos. Mas não quero ninguém me esculachando, se achar ruim de nota baixa e diga no que devo melhorar ou dar ênfase. A histária é levemente baseada no seriado Roma, os nomes dos personagens fui em quem criei. Se alguém quiser conversar pelo MSN o meu é [email protected]



Sá pra confirmar eu sou hétero em, meu negácio é mulher!kkkk

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico gay meu vizinho betãocontos eroticos casada infelizContos gays com entregadores negros dotadoscontos tava batando uma derrepente minha prima me pegaMinha namorada mim traiu na vaquejada contos ele era um lindo anjocontos erotcos de estrupo de virgemaiiao taradoporno contos eróticos eu ea minha esposacontos eroticos negrinha inocentecontos ensinando novinha gozaro negão comeu o meu marido contos eróticosskinhead conto eroticocontos eroticos escravizada e usada por um tarado IVcheirei a gorda bunduda conto eroticoarrombaram minha irmã conto eroticocomendo a evangelica no busao contopeguei minha sobrinha do interior matutinhaContos eroticos com chingamentoo homem abre a periquita da mulher e chupa e coloca um botijão dentro da vajinhaprimas contos eróticocontos na lua de mel fizemos swingcontos de incestos quebrei a pernacontos: puto dando ao ar livrecontos eroticos arrombaram meu cuimcestos minha filha novinha cabacinho quiz fuder compapai vconto erotico dona de casa casada cantadacontos eroticos eu sozinha acabei gozando na calcinhaContos eroticos feia mais com rabzocontos erotico comi o hetero parte 19contos eroticos gays zoofiliameu cachorro mecomeu a forcaContos esposa do meu irmãoconto erótico com amigos do meu pai excitantecontos eroticos peguei a transexual da lanchoneteArregassando a bucetinha de uma virgem enquanto ela chupa o.pau do outrocontos eu minha esposa e um viadinhowww.contos heroticos..uma jujuba bem comida...contos incesto o cofrinho da mamaea amiga da minha irma contos eroticosdividindo a cama conto bicontos minha filha e puta desde pequenamãe ensinando filha a dar o rabo cd.comselma melando a pica de cocorconto gay meu irmão sacudiu o pau dele pra mim Conto erotico contando minhas tranzas para meu pai e acabou me comendocontos eroticos reais sou puta e meu filho viadinhoGostosas nao aguentam o tesao e traem em contossenti aquele pauzao derramando varios jatos no fundo da minha bucetaconto pm metedorfotos de novinhas mechendo na bucetinhajpapai disse que me ama contos eroticoscontos eróticos com mulher q usa vestido coladopouquinho carnuda contosmeu corpo que era devastado pelo seu pau ainda duro contos eróticos familia naturista contipeguei meus filhos tranzandocontos eroticos vovo mamae e os mendigoscontos treinador gay da escolinhacontos eroticos primeira gozadacomendo o c* gostoso bronzeadinha e g************* de uma r*****contos de coroa com novinhocomi o cuzinho do vizinho novinho contos heroicosconto eróticos entre amiguinhas do colégio contos massagem na tiacontos insesto mae de ferias com filhom primoporno gay contos oesposa bebada se abrindo apos a farra no bar contoconto de desmaiei com a pica grande no cufudeno com duas gostoda e cozamo na caraTravesti que dá de graça em bhcontos eróticos comi minha amiga skatistagay seduzindo hetero abaixando preso da casa so pra transarcontos eroticos decornos amigosconto sozinho com minha sogra