Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

VERINHA MINHA SOBRINHA

Verinha é minha sobrinha. Casou-se, teve duas lindas filhas. Apesar de ser uma mulher bonita, casou-se com um vagabundo. Não teve sorte nessa união, e acabou se separando, há cerca de 4 anos. Essa situação de mulher descasada, com 2 filhas pra cuidar, tem causado uma série de desconfortos na sua vida.



Ela teve que ir à luta, procurar emprego, buscar solução para adquirir condições financeiras para cuidar das filhas. Conseguiu emprego num salão de beleza. Ela se deu bem neste tipo de trabalho, e passou a buscar oportunidades, planejando montar seu práprio negácio. Fez alguns cursos técnicos na área, e acabou adquirindo conhecimento. Mas as coisas não são fáceis. Falta-lhe condições financeiras para ir adiante. Os empregos que conseguiu mal dão pra pagar o sustento das filhas. Quando sobra algum, é pra pagar os cursos que faz.



Sou o tio com quem mantém o melhor relacionamento, e reciprocamente, ela é minha sobrinha mais querida. Nossa afinidade vem da época em que éramos crianças, e brincávamos alegremente, aproveitando a melhor fase de nossas vidas, junto com nossos irmãos, vizinhos e colegas de escola, no interior, enquanto morávamos com nossos pais.



Eu tive um caminho mais consistente na profissão, e assim acabei me tornando uma pessoa bem sucedida. Me casei, mas não perdi o contato com Verinha. Ela sempre recorre a mim nas horas mais complicadas. Para conselhos e para os momentos de dificuldades financeiras. Acabou se tornando amiga de minha esposa.



Em 2003 me mudei para a capital com a família, e então nos afastamos do contato pessoal. Passamos a nos falar somente por telefone. às vezes ela liga, conversa com minha esposa sobre seus planos. Outras vezes me pede algum dinheiro. às vezes paga o que tomou emprestado, às vezes não. Já dediquei a ela diversos socorros “a fundo perdido”! Não me importo muito, pois gosto dela, admiro sua luta pela vida.



No início deste ano ela ligou e conversou demoradamente com minha esposa. Verinha viria fazer um curso de estética. Deixaria as filhas com os pais no interior. Minha esposa ofereceu nossa casa para que ela não tivesse despesas com estadia na capital. No dia da chegada fui buscá-la na rodoviária. Verinha está uma gata. Morena, cabelos lisos, ela está com um corpo esbelto e firme aos seus quase trinta anos. Elogiei, e ela disse que era a correria não a deixava engordar. Na verdade, ela sempre se cuidou para manter o ritmo do trabalho. O encontro com minha esposa foi átimo, as duas sempre se deram muito bem.



Verinha ficou hospedada no quarto de cima da minha cobertura, de cujo terraço se pode apreciar uma bela vista urbana, pois moro em um prédio que é dos mais altos do bairro. Os dias foram passando, já fazem quase 2 meses, e ela deve ficar ainda mais algumas semanas conosco, pois a duração do curso é de quatro meses. Conversamos muito, sempre ali no terraço, falando da vida e do passado. A ambientação foi fácil, como deveria ser. O inusitado nesta situação toda, foi o que comecei a sentir. Não sei se porcausa do tempo que estivemos distantes, ou do fato de ela estar bem bonitinha, a questão é que comecei a sentir uma certa atração, e vislumbrar oportunidades de tirar alguma lasquinha. Comecei a me sentir de certa forma um pouco dono da situação. Afinal, eu já a ajudara muito, e merecia uma retribuição. Com ela ficando aqui, em minha casa, nada como receber algo em troca.



à noite, eu sempre subia ao terraço, enquanto minha esposa e Verinha estavam no andar de baixo, assistindo TV. Apás a novela, ela subia, às vezes acompanhada de minha esposa. às vezes sá. Nos momentos em que ela subia sá, conversávamos pouco, e eu descia logo. Antes, sempre lhe dava um abraço, ou um beijinho no rosto. Estes momentos, repetidos várias vezes, foram ficando cada vez mais gostosos. Com o passas dos dias, os abraços começaram a virar um verdadeiro pega pega...



Semana passada eu subi na cobertura, à noite, e fui ao quarto de Verinha. Fiquei alguns instantes sentindo seu perfume e em seguida desci. As duas estavam ainda na TV. Fiquei por ali, e poucos minutos depois, minha esposa foi para o banho. Verinha disse que ia também, e subiu. Esperei um pouco, para me certificar que o banho de minha esposa começara, e subi em seguida. Já era noite, e Verinha ainda estava no terraço, olhando a vista dos prédios. Me aproximei iniciei conversa:

- A vista daqui é muito legal né?

- É sim tio. Linda!

- Como está o curso?

- Tá átimo tio, tô aprendendo muito.

- Que bom! É importante manter-se atualizada né?

- É, muito importante tio. E eu tenho que te agradecer muito por isso.

- Que nada, faço isso com muito prazer. Muito prazer mesmo!

Ela me olhou e sorriu, de forma extremamente sensual. Eu tive uma vontade quase incontrolável de agarrá-la e beijá-la imediatamente. Mas me contive um pouco, e prossegui na conversa:

- Lembra quando a gente era criança?

- Claro tio, a gente fazia muita “arte” naquela época.

Me lembrei que quando éramos criança, a brincadeira mais comum era de pique. Corríamos até alcançar e tocar uma pessoa. Aquela pessoa tocada passada então a correr para alcançar todos os outros. Eu me lembro que corria para alcançar Verinha. Ela entrava para dentro de um casa em construção que tinha nas imediações e eu entrava atrás. Neste momento eu me esforçava mais e conseguia alcançá-la. Aí, eu me aproveitava, e a segurava, com muita vontade e pressão. Apertava-a contra meu corpo, num abraço gostoso por trás, e não soltava fácil, até que alguém chegasse. Aproveitava para deslizar minha mão na sua cintura, barriga, nos peitinhos. Colava meu pau na sua bundinha e apertava mais. Quando ela fazia muita força eu sentava, ainda segurando-a, e ela ficava em meu colo. Eu colava meu rosto junto ao seu, e me deliciava com aquele momento... Voltei a falar:

- É, fazíamos mesmo, mas também, éramos criança... a gente podia. Lembra quando a gente brincava de pique? Perguntei.

- Ah tio, eu me lembro que a gente corria muito e você me segurava tanto, toda hora! Como você gostava de me pegar!

- Então, essa era a parte mais gostosa da brincadeira!

Ela me olhou. Sorrimos juntos neste momento. Eu pensei um pouco e percebi que ela estava pensativa também. Silenciamo-nos por um momento. Ela voltou o olhar para a vista dos prédios mais distantes, e, em seguida, disse coisa mais gostosa que eu ouvi naquela noite:

- A gente pode brincar depois que cresce também, tio, é sá querer.

Eu senti um calafrio de tesão. Entendi aquela frase como uma declaração de permissão. Não podia desperdiçar aquele momento. Para ver até onde podia ir, coloquei meu braço esquerdo sobre seu ombro. Fiz questão que ela entendesse o que eu estava querendo, deslizando suavemente minha mão sobre seu corpo. Ela continuou com o olhar distante. Apoiei meu braço direito também sobre seu ombro direito e me posicionei atrás dela. Esperei alguns segundos para sentir sua reação. Ela deitou a cabeça levemente para trás e fechou os olhos. Pronto. Eu tinha tudo que queria, como na época de criança. As luzes estavam acesas.

- “Espera sá um segundinho”, eu disse.

Fui até a salinha de TV e apaguei as luzes. Quando voltei, segurei ela novamente, agora com força, como quando éramos criança. Ela com os braços sobre a mureta, apenas consentia, amolecendo o corpo, boca entreaberta para facilitar a respiração ofegante que já chegava. Eu estava louco, com o pau duro igual um tijolo. Senti seu corpo quente e macio. Ela usava uma saia pouco acima dos joelhos, de um tecido bem leve. Chinelinho de dedo, que realçava as curvas de suas pernas. Uma blusinha de malha amarela, deixando à mostra um pouco de sua barriguinha lisinha. Os peitinhos lindos já com os biquinhos entrumescidos. O cabelo solto, na altura dos ombros, pareciam mais leves quando ela deitava a cabeça para trás. Eu fui com tudo. Levantei sua saia até a altura da cintura. Não podia demorar. Ela afastou um pouco as pernas. Eu coloquei a mão esquerda no meio e afastei um pouco mais. Senti sua bucetinha quentinha por baixo da calcinha. Rapidamente, puxei sua calcinha para o lado. Tirei o pau por cima do short. Briguei com minha camiseta que atrapalhou um pouco, mas quando o bicho saltou pra fora, eu encaixei no meio das pernas dela. Segurei ela pela cintura, deslizei minha mão até a buceta, pela frente, segurei a cabeça do pau e encostei no reguinho. Segurei seu peitinho esquerdo com a outra mão, por cima da blusa. Forcei a entrada do pau. Fui impiedoso. Apertei, e enterrei quase tudo de uma sá vez. Ela gemia, bem baixinho, dizendo: “aaaai aaaaai aaaaai”. Segurou minha mão sobre seu peito. Enfiei o resto e a abracei com vontade. Comecei a bombar. Coloquei agora minha mão sob sua blusa e apertava os peitinhos, com força. Ela, fechando os olhos, pediu baixinho:

- Devagar tio, mais devagar...

Dei um beijinho no seu rosto e continuei bombando. Colei meu rosto no dela e me deliciei com o balanço do seu corpo com minhas estocadas. Ela segurava forte na mureta, para não perder o equilíbrio. Rapidamente eu gozei igual a um cavalo, um jato com um monte de porra naquela buceta gostosa. Tive que segurar pra não soltar um urro! Meu coração saltava! Fiquei mole, gasto! Diminui o aperto. Ela continuava com os olhos fechados. Dei outro beijinho no seu rosto, e beijei o cantinho de seus lábios. Tirei meu pau de dentro dela. Ela ajeitou a calcinha e baixou a saia. Arrumou a blusa. Se virou, me abraçou bem suave, e saiu. Foi para o banheiro. Eu desci. Minha esposa ainda estava no banho. Sentei-me no sofá, luzes apagadas, e curti sozinho por alguns momentos o prazer daquele encontro delicioso.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


minha irmã da bunda grande cinto eróticoscontos eroticos meu patrao me da leitinho dois dias na semana no motel e o meu marido nem desconfiacontos reais de gatas dando para seu dog e fica engatadarelatos de cheirando calcinhacontos eroticos - comeu a sograContos eróticos buraco abertowww.Contos Eroticos de sexo gay incesto pai estrupando filho virgem gay sexo violetos em contos.comMeu irmão me comeu conto gaycontos eroticos virgem estupradacontoerotico senhora casada traio meu maridoporno de tia cabelo cachaedo loira meia idade peluda com sobrinhocontos eroticos minha esposa eo porteirovirei cadela contos gayscontos me faço de recatadaSó quer o meu rabo contosconto morador de rua roludo comei gpstos minha esposafoda gostoza mulher caszada tro cano omaridobucetiha tihoconto erotico advogada casadameu policial chupou meus seiosestoria porno a fantasia do meu marido e c cornosou hetero mas ja paguei um boquete e gostei muitoconto erotico minha prima lesbica seduzil minha noivacontos eroticos incesto meu primeiro orgasmo pai e filhinhaContos bct larga adorooContos tia usando legging noivo corno no altar contos eroticossofri no pau de outro contoContos eroticos minha cunhada foi estuprada por ladroesconto de masoquismo com meu pai me violandoconto erótico uma mãe especialcontos sexo meu marido rebolou na pistolaxxvidios defisieticonto gay erotico o pedro me comeugay violentado contoscortos eroticos curmir minha empregadaconto erotico irmão mais novo machocontos brincado de casinha com minha primaconto de arrebentando o meu cu com a pica grandecontos gay caminhoneirocontos de big rolacontos eroticos meninos cuidando dos filhos da vizinhacomtos.eroticos estuproContos eróticos meu primo meu amor minha vida meteEdna A tia da minha esposa contos eroticoscontos erotticos irma mais velhacontos homens foram acordados com sexo oraltrai meu marido com o amigo do meu filho porno contoconto real meu vizinho me estuproucontos gay cunhado barracaContos eroticos dei boleia na costa recebi boquete da coroa suecaMinha esposa adora um homem negro contos eroticosa tão sonhada dupla penetração contoconto muito gata quis anal dotadopica no cu do casado primeira vezcoroa louraca enxuta bocetao inchada inchadaComir minha prima e minha tia contos eroticosCONTOS DE LESBICA COMADRE CASA DOS CONTOSContos gozei com nerd grandecontos velha sogra da cucache:d8S3mF85a4oJ:tennis-zelenograd.ru/conto-categoria_4_11_incesto.html casa dos contos eroticos amiga da minha irmã infanciasexo molhe querendo sexo iumarido vai joga bolaXupano apiroca doirmao sentada novazo dobanherocomi ela que gritada na minha pirocaconto erótico era putinha e meus amigos me armaram depois da escolaContos incesto irmão irmã e cunhadocanto erótico amiga da minha esposa dormir em casacontos bi papai e mamaeSou casada mas bebi porro de outra cara contosconto estrupado pelo amigocontos eroticos minha sobrinha adorava mamar minha picaconto presente de casamento pro meu marido sexo a trescontos crente seduzida cpzimhacontos sexo entre mulheres carinhosassobrinho encontra tia dormindo e faz sexo com ela bem gostoso até ejacular dentro da bucetanegra estuprada na frente so marido contos dei de perna abertacomigo vamo mulher do meu irmão meu irmão viu como um laser transar entre família comigo a mulher do irmãocontos eroticos comi a buceta da minha amiga na capoeiracomendo cu da minha irma na cozinhaMETEU DOIS DEPOIS TRES DEDOS NO MEU CU GAYcontos eroticos corno escutando pelo celular sua esposa sendo fodida com outrocontos de esposas putasviuva ecitada ver filho tomando banho e da pra elenamoro com transex me fez de eacravo contoa erpticoscache:d8S3mF85a4oJ:tennis-zelenograd.ru/conto-categoria_4_11_incesto.html cache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html contos eroticos meu grelo e grandeconto erotico barbudo fudendo bucetaContos erocticos aaaai papaiminha mulher mal caminhava de tanto pau q levou conto eroticoomen nao quer essa gostosa para transar nao so pra arronbakkksem entrei na rola dos pedreiros contocontos heroticos destruindo o cu da minha madrasta sua filhaporno gorda pula em cima do rosto da amigacontos minha madrasta pegou no mercado peniscontos eroticos de vingança è um prato que se come friocontosinha xota fica molhadinha quandovejo na rua uma pica